Blog: Agregados em foco

5 Motivos para você investir em areia manufaturada

Já faz algum tempo que o mercado de agregados tem ouvido falar da areia manufaturada, produzida através do pó de rocha, é uma forma mais sustentável de se produzir, visto que a extração de areia natural implica em grandes impactos ambientais e legislações cada vez mais rigorosas. Hoje existem tecnologias que oferecem a mesma qualidade do produto, fazendo que a areia manufaturada tenha um desempenho tão bom ou melhor que a natural.

Listamos aqui, 5 motivos para você investir na fabricação de areia e temos boas histórias sobre pedreiras que estão tendo ótimos resultados.

 

1. Fator Ambiental

Existe uma tendência mundial na substituição da areia natural, extraída de rios ou cavas, pela manufaturada, produzida a partir de brita. A restrição ambiental à extração das reservas naturais se deve especialmente quando realizada sem regulação ou supervisão e, quando isso acontece, causa danos a rios, praias e ecossistemas inteiros. Por isso, no Brasil e outras partes do mundo, cada vez é mais difícil conseguir uma licença para a exploração.

Além de diminuir os efeitos sobre o meio ambiente, a areia de brita apresenta outras vantagens, tanto econômicas quanto tecnológicas. Durante o seu processo, por exemplo, utilização de água é eliminada. A produção a seco é relativamente nova, mas já fez grandes avanços para facilitar a implantação de sistema de produção de areia. Com isso, é possível eliminar as barragens para tanques de decantação evitando acidentes minerais.

Outro ponto ambiental positivo é referente a emissão de poluentes. Como as pedreiras produtoras de areia estão próximas ao mercado consumidor, existe uma redução significativa no uso de caminhões, bem como as distâncias percorridas. Com essa mudança logística, existe uma quantidade muito menor de CO2 lançado na atmosfera.

 

2. Aproveitamento de finos

Além das questões ambientais, outros fatores favorecem a adoção da areia de brita como é o caso do excedente de finos gerados em pedreiras.  Os produtores de agregados conhecem bem o cenário. As pedreiras geralmente produzem finos além da demanda. A transformação destes finos em areia de brita evita que eles se convertam em grande passivo como acontecia no passado. O que era problema vira produto de alto valor agregado.

As empresas que não fazem o reaproveitamento de finos podem inviabilizar a operação de agregados por aspectos de custo e espaço para disposição, tornando-se frágil para a concorrência.

Esse processamento, pode ser através de via úmida ou a seco, ou seja, com diferentes técnicas de lavagem ou classificação a ar. Finalmente, se as partículas de areia forem peneiradas e classificadas em tamanhos de partículas razoavelmente estreitas com bom formato, elas já podem atualmente ser usadas com sucesso como areia manufaturada de alta qualidade.

 

3. Demanda de mercado

Quando olhamos para o tamanho do mercado, a demanda para areia é muito maior que para a de brita. Exemplo disso é o uso da areia na fabricação do concreto, que leva entre 30 a 40% na sua composição. Também é um ingrediente importante para asfalto e vidro.

Obras civis e de infraestrutura e até mesmo a construção de rodovias de pavimento rígido estão entre os mercados. Grandes e pequenas barragens e estruturas de sustentação de energia eólica são outros exemplos. O mercado para areia é realmente muito amplo. Adicione a essa demanda a realidade da crescente urbanização global.

Como métrica real, vamos olhar os dados publicados pela ANEPAC, que nos mostram que o Brasil deve ter um crescimento de 5% na demanda por areia em 2019 e, essa projeção não inclui existência de grandes obras ou retomada daquelas que estão paralisadas.

 

4. Qualidade do material

A areia de brita, produzida com o emprego das tecnologias e processos adequados pode resultar em significativas vantagens aos consumidores, em especial às concreteiras.

O controle técnico do concreto é um fator de alta importância em sua fabricação, por isso a preocupação em ter uma areia com uma constância da curva granulométrica. A areia manufaturada tem essa vantagem, o formato cúbico, melhor graduado e superfície rugosa das partículas somado à quantidade controlada de micro finos, reduz o consumo de cimento de forma significativa, o que representa mais de 50% do custo do concreto, um grande benefício econômico.

Uma das dicas para os produtores de agregados que têm a intenção de produzir areia de brita é preparar amostra de areia e enviá-la a seus clientes para testes.

 

5. Custo do frete

Fundamental na construção civil, a areia natural tem ficado cada vez mais cara e distante. Os dados de mercado indicam que a cidade de São Paulo é abastecida em grande parte com areia natural produzidas pelos mineradores localizados no Vale do Paraíba e Ribeira sendo que, na sua maioria, estão situadas a mais de 100 km. E ainda mais preocupante: mais da metade do preço final da areia ao consumidor corresponde ao custo do frete. Um efeito colateral desta situação é que quanto mais distante a exploração, maior é a emissão de dióxido de carbono (CO2) da frota de caminhões.

A areia manufaturada pode ser produzida em qualquer local que tenha rocha, diminuindo as distâncias entre o mercado consumidor e produtores.

Custo menor de frete. Maior sustentabilidade. Melhor qualidade do material.

 

Quer saber mais sobre o tema?
Participe do Seminário Metso de Agregados 2019! O evento é gratuito!

 

 


Blogger

Metso Brasil

Metso no Twitter