Blog: Agregados em foco
Share to Facebook Share to Twitter Share to Twitter More...

Blog: Combinação de cerâmica e borracha eleva em até 10 vezes vida útil de revestimentos

Tecnologia Poly-Cer, da Metso, oferece melhor absorção a impacto e resistência ao desgaste do que revestimentos tradicionais para chutes de transferência de materiais em equipamentos de mineração e construção.

Os revestimentos da linha Poly-Cer têm uma combinação singular que faz a diferença na mineração e na construção: elasticidade da borracha e dureza da cerâmica. Com a mescla, o material final consegue absorver impactos com eficiência e, ao mesmo tempo, proporciona extrema resistência ao desgaste por abrasão ou por deterioramento. A flexibilidade do material permite ainda que o revestimento seja curvado, o que amplia seu uso para revestir silos, chutes de alimentação, descarga e transferência e peneiras vibratórias em mineração, sua principal aplicação, embora também seja usado no setor de construção em plantas de agregados.

A experiência em campo mostra que o Poly-Cer apresenta uma vida útil de dez vezes maior, quando comparado a outros tipos de revestimentos, como aços de alta dureza ou de borracha comum por exemplo. Além da composição dupla, ajuda no processo o design exclusivo do componente cerâmico, disposto em padrão de ziguezague para evitar desgaste concentrado, explica os números. Apesar de sua versatilidade, ele não é indicado para  revestir caçambas de caminhões fora-de-estrada, segmento para o qual a Metso tem outro produto específico, o  Revestimento de Borracha para Caçambas.

 

Montagem segura envolve sistema de parafusos e elimina soldagem em campo

A segurança e a facilidade de instalação são dois outros diferenciais do Poly-Cer. Em comparação com o aço,  o ruído é reduzido em até 50%, melhorando aspectos ambientais da mina ou da obra, além de reduzir a fadiga e o desgaste auditivo dos trabalhadores. Há também um ganho em segurança para os funcionários já que a vida útil do revestimento é elevada brutalmente, consequentemente a frequência de troca de revestimentos cai e a exposição do staff a riscos de acidente de trabalho é diminuida. Já a aplicação tem sido otimizada pelo sistema de aparafusamento, diferente de outras tecnologias que trazem mais perigos adotando o recorte e a soldagem no local e que dependem de mão de obra muito especializada, caso contrário são prejudicadas pela redução da qualidade final.

“O Poly-Cer tem o diferencial da montagem simples, rápida e segura, fatores que garantem redução de tempo nas paradas operacionais e mais ergonomia aos trabalhadores durante a instalação, uma vez que o Poly-Cer é muito mais leve que uma chapa de aço de mesmo tamanho. As placas são disponibilizadas em tamanhos padrões ou personalizadas conforme a necessidade do cliente e já saem de fábrica com um sistema de fixação confiável, basta encaixar os módulos de Poly-Cer no local definido e apertar as porcas pelo lado de fora”, resume Fernando Antonio, especialista em Revestimentos Antidesgastes da Metso. De acordo com ele, o sistema de fixação inclui parafuso  tipo stud weld, arruela e porca.

A tecnologia Poly-cer da Metso apresenta vida útil 10 vezes maior que outros revestimentos

 

Experiência comprovada em casos de aplicação real no Brasil

Os diferenciais do Poly-Cer foram comprovados em plantas de mineração mundiais, inclusive no Brasil. Um estudo local em mineradora de ferro na região Norte comprovou o aumento de vida útil quatro vezes maior e um ganho de 30% no consumo de materiais em comparação com os revestimentos de borracha até então utilizados na operação em pontos de transferência. O estudo real envolveu o uso do Poly-Cer em chutes de correias transportadoras e de peneiras vibratórias.

Um dos destaques do estudo brasileiro foi a validação da flexibilidade do revestimento  tanto para chutes de transportadores de correias como para as peneiras. Nesse último equipamento, a linha Poly-Cer também se destacou pela capacidade de vedação na alimentação da máquina. Trata-se de um sistema de sobreposição que evita o acúmulo de material entre o revestimento e a peneira. “Isso é feito com um reforço na camada de borracha que fica na parte de trás da placa de revestimento, vedando totalmente o espaço entre a peneira e o revestimento” explica Fernando Antonio.


Metso no Twitter