abr 28, 2020 Mineração blog

Granulação em fertilizantes aumenta precisão de aplicação em campo

Jose Malaman BR
Jose Malaman
Engenheiro de Vendas Sênior
Os fertilizantes são fundamentais para a agricultura e envolvem uma mistura de vários nutrientes, incluindo nitrogênio fósforo e potássio. Também possuem grande participação no custo das lavouras. Além disso, a adubação com precisão tem crescido nas lavouras mais mecanizadas, com o objetivo de reduzir os custos de arraste pelo vento, dosagem acima da demanda do cultivo e em linhas onde não ocorrerá a aplicação da semente. Por isso, o fertilizante necessita ser granulado para se obter a precisão na sua dosagem por máquinas automatizadas.
A Metso entende o processo de fertilização. A granulação desempenha um papel na transformação dos nutrientes fertilizantes em um produto final
A granulação de fertilizantes cria o produto final

 

A resposta tecnológica para isso é aumentar o tamanho das partículas finas em grânulos e disponibilizar todos os nutrientes em um único grão. Um desses processos é a granulação por via úmida. Com ela, os produtores de fertilizantes entregam o adubo na qualidade requerida pelo agricultor, aumentam o valor agregado de seu produto, reduzem a geração de poeira no manuseio do material e a formação de aglomerados durante a armazenagem. 

Tambor rotativo é o equipamento habitual em plantas de granulação

Além da redução significativa de poeira e da melhoria da manipulação, a granulação permite que as matérias primas sejam recuperadas e que os resíduos possam ser transformados em produtos comercializáveis. O processo a úmido não é pressurizado como a técnica de via a seca e, basicamente, adota o tamboreamento e a rotação do material para a aglomeração.

 

Procurando mais informações sobre a cadeia de valor de fertilizantes?

 

De todos os equipamentos utilizados nessa operação, os preferencialmente adotados são o granulador de prato e o tambor rotativo. Já a escolha envolve algumas variáveis. A primeira delas é a característica físico-química das matérias-primas, mas outros três fatores precisam ser levados em conta: faixa requerida de granulação, quantidade de reciclo estimada e a capacidade de produção da planta. Com esses dados em mãos, os produtores de fertilizantes podem começar a escolha.

O granulador de pratos, indicado para plantas com capacidades menores, é uma máquina aberta e mais difícil para controle da emissão de particulado e vapores. Também é o ideal para plantas com produtos menos incrustantes devido à sua maior dificuldade de limpeza. Já o tambor rotativo é o indicado para plantas de maior capacidade e onde é mandatória a exigência da produção mais estável do ponto de vista da granulometria. É um sistema fechado, ou seja, permite melhor controle de poluição e mais flexível para materiais difíceis de granular.

Planta de granulação envolve outros equipamentos além do tambor

As vantagens do tambor rotativo o tornam, desse modo, a escolha habitual para a produção de fertilizantes via úmida. Além das características já citadas, ele também é um equipamento de fácil construção, operação, com destaque para a manutenção da limpeza da máquina. A flexibilidade é outro ponto favorável: o tambor facilita a mistura do sólido com a fase líquida e promove a rápida formação de grãos, independente do tipo de matéria-prima e da capacidade de produção da unidade.

Para quem vai montar ou ampliar a planta, é importante lembrar que, além dos tambores rotativos usados como granuladores, secadores, resfriadores e recobridores, uma granulação típica envolve a aplicação de dispositivos como, transportadores, peneiras, moinhos, filtros de mangas, lavador de gases, gerador de gás quente, e estação de tratamento de efluentes líquidos.