jan 23, 2020 Mineração blog

Inspeção em revestimentos de moinhos - Escaneamento 3D

Fábio Isoldi
Fábio Isoldi
Product Support Coordinator
O moinho normalmente é o "coração" da planta nos processos de mineração. Toda a produção passa praticamente por ele, por isso sua disponibilidade e desempenho afetam diretamente os resultados da operação. E, dentro do moinho, quem tem o papel de transferir a energia para a o minério e fazer a moagem acontecer é o revestimento.
Moinho

Há muito tempo os revestimentos têm um duplo papel na operação. Além de proteger a estrutura do moinho e evitar que ele se desgaste, o revestimento é o grande responsável por agitar a carga. Sendo assim, seu formato, volume, ângulo, altura e demais características influenciam diretamente no processo de moagem. E, por isso, é cada vez mais importante o acompanhamento destas peças em operação.

O comportamento do desgaste dos revestimentos é um fenômeno muito complicado de ser estudado (a Metso desenvolveu simuladores de desgaste, mas será abordado em outro post), tendo como maior fonte de informações o empirismo. Logo, as inspeções nos revestimentos sempre foram "ferramentas" importantíssimas para o projeto de novas gerações. Uma boa análise permite identificar pontos fortes (a serem mantidos na próxima campanha) e pontos fracos da campanha atual.

O parágrafo acima explica porque estamos sempre em busca de melhorias nos processos de inspeção para que cada vez mais tenhamos o máximo de informações possível sobre o desgaste. Além disso, a qualidade da informação também é importante.

Métodos como ultrassom, gabarito de Hastes (conhecido como "pente") ou até mesmo técnicas por análise de imagens são bastante utilizados e tem boa confiabilidade, porém normalmente são demorados, tanto na coleta das informações como no processamento dos dados.

Métodos de inspeção em revestimentos: ultrassom e gabarito de haste
Métodos de inspeção em revestimentos: ultrassom e gabarito de haste

Uma mudança importante foi a iniciativa da Metso em desenvolver o método de escaneamento 3D dos moinhos no início de 2019. De lá pra cá percebemos não só uma enorme melhora na qualidade de informações coletadas em campo, como também uma redução no tempo de processamento das informações e emissão dos relatórios.

Com o escaneamento 3D, o equipamento de inspeção capta 100% da superfície dos revestimentos e não apenas seções pontuais. E isso em minutos. Ou seja, durante a análise dos dados, o especialista tem literalmente todas as informações que ele precisa. É possível "navegar" dentro do moinho e obter os melhores ângulos e melhores imagens para a análise.

Relatório detalhado de desgaste pode ser emitido em 24 horas

Com tanta informação, o desenvolvimento de novos perfis torna-se cada vez mais assertivo e pode ser personalizado especificamente para a aplicação de um determinado cliente como, por exemplo, aumentar a espessura da borda em uma região crítica ou então reduzir o revestimento em outra região com desgaste mais brando. Além disso, é possível traçar o perfil de desgaste do revestimento e, se feito periodicamente, pode-se prever com maior precisão a vida útil dos revestimentos, analisar a tendência do desgaste e assim planejar com muita segurança as paradas para de substituição.

Evolução do desgaste no revestimento
Evolução do desgaste no revestimento

Outro grande benefício do escaneamento 3D é a emissão de relatórios de inspeção. Com os métodos anteriores, é necessário analisar as informações colhidas em campo, processá-las e, a partir daí, confeccionar o relatório. Com a nuvem de pontos gerada pelo escaneamento, todas as etapas tornam-se mais rápidas e confiáveis. E diferentemente dos métodos tradicionais, o processo é feito em um software especialmente desenvolvido para tal fim. Como?

A Metso foi vanguardista e criou uma ferramenta própria, facilitando muito todo o processo de análise da nuvem, permitindo melhores dados de saída e com precisão muito maior. Um exemplo de resultado é a emissão de um relatório de desgaste completo em menos de 24 horas, desde que o moinho já esteja parametrizado dentro da ferramenta. O relatório inclui dados relevantes, como taxa de desgaste por região do moinho, projeção de vida útil, indicação de zonas críticas e muito mais.

Para encerrar, é interessante observar que o desenvolvimento do escaneamento 3D para moinhos foi possível porque somos uma empresa que fabrica praticamente todos os equipamentos de processamento mineral. É uma condição que nos permite utilizar a sinergia entre as várias áreas da companhia, levando à entrega de produtos com o máximo de tecnologia agregada, seja em peças, serviços ou relatórios.

Podemos ajudá-lo?