Share to Facebook Share to Twitter Share to Twitter More...

A erosão pode ser parada

Jussi Hellman, da Metso, diz que as novas opções de materiais podem prevenir a erosão e a corrosão a custos aceitáveis

Jussi Hellman

O Sr. Hellman fez uma pequena apresentação que provavelmente vai dar um frio na espinha de todos os engenheiros de válvulas. O título é muito direto: "desafiando a erosão", e a primeira página dá um resumo interessante de diversos tipos de erosão, como as de partículas, de gotículas e erosão-corrosão. Mas são as páginas seguintes que a tornam desconcertante, já que apresentam imagens mostrando os efeitos da erosão em válvulas. Que tal uma foto de uma válvula borboleta usada em lama de cal, na qual o disco simplesmente desapareceu? A esta, se segue uma válvula de controle na qual as partículas de areia corroeram uma porção expressiva da caixa de proteção. E por último, mas, de forma alguma menos importante, a imagem final mostra que até mesmo uma válvula de esfera de cerâmica pode ser destruída, desta vez por partículas mistas de óxido em uma operação em polpa. "Mas não precisamos ver o copo meio vazio", comenta o Sr. Hellman. Muitos dos problemas associados à erosão em válvulas podem ser controlados com a seleção e o dimensionamento corretos, ao passo que materiais de construção alternativos podem ser uma solução para aplicações mais severas".

Obviamente, mudar de um material padrão como o aço carbono para o aço inoxidável sólido pode causar um aumento expressivo no preço, e o aumento se torna ainda mais dramático se for necessário um material com liga de níquel ou revestimento antidesgaste. E ainda que as válvulas revestidas possam oferecer resistência anticorrosão a um custo mais aceitável, o Sr. Hellman observa que podem haver problemas associados a defeitos ou descontinuidades. "É por isso que a Metso busca constantemente desenvolver e aplicar novos materiais, como nossas válvulas bimetálicas". De muitas formas, a solução bimetálica tem objetivos semelhantes às válvulas sobrepostas soldadas. Existe uma concha feita com um material flexível e barato usado na construção de válvulas que oferece a espessura de parede necessária conforme definido pelos padrões aplicáveis. E existe também um material interno que oferece melhor resistência contra corrosão e/ou erosão. No entanto, o que a Metso fez com as válvulas bimetálicas foi desenvolver um processo através do qual o material interno é aplicado em um único passo, que resulta em uma ligação perfeita e confiável, destaca o Sr. Hellman. "Não há poros ou rachaduras que frequentemente são associados com a sobreposição de solda.

“Não há poros ou rachaduras que frequentemente são associados com a sobreposição de solda.”

Além disso, o material interno retém sua composição química uniforme, para que não ocorra a camada de diluição que podemos achar nas soldas". O processo é relativamente novo, mas a Metso já conseguiu juntar algumas histórias de sucesso bastante persuasivas. Sr. Hellman: "por exemplo, em uma aplicação que um usuário final nos pediu para revisar, nós percebemos que a válvula anterior falharia a cada seis meses. Instalamos uma válvula bimetálica há cerca de 18 meses, e ela ainda está funcionando bem". Finalmente, quando questionado a respeito do custo das válvulas bimetálicas, o Sr. Hellman disse que os compradores em potencial precisam olhar além do preço de compra. "É importante considerar o custo total de posse e, especialmente, os benefícios financeiros de mais tempo de operação para a planta. Dentro desse contexto, a válvula bimetálica é praticamente uma barganha!"

A imagem do cabeçalho mostra em detalhes a porta em uma válvula de esfera Neles® QX-T5, que utiliza uma construção bimetálica muito bem-sucedida.

Perfil de Jussi Hellman:

Idade: 45 • Formação: Mestre em metalurgia física e ciência de materiais • Carreira: Gerente de engenharia de materiais e desenvolvimento de produtos em diversas áreas de negócios na Metso Corporation desde 2002. Antes disso (1995-2001), gerente de projeto e chefe do grupo de pesquisas na Universidade de Tecnologia de Helsinque, e palestrante em meio-período (1995-2015) • Cargo atual: Gerente da engenharia de materiais na Metso Flow Control Inc

MAIS INFORMAÇÕES:
jussi.hellman@metso.com

TEXTO: David Sear

Publicado na revista Valve World de março de 2017.

Produtos relacionados